Papeira – causas e sintomas


A papeira, ou caxumba, é transmitida por um vírus, o qual ao entrar no organismo pela boca da pessoa, viaja até às glândulas parótidas, verificando-se aí a sua multiplicação primária. Mais tarde pode ser encontrado nos testículos, ovários, pâncreas entre outros órgãos.

Também chamada de parotidite infecciosa, além de ser uma doença contagiosa, caracteriza-se pela inflamação de uma ou de ambas as glândulas parótidas e das glândulas salivares. A parotidite é mais comum em crianças com idades compreendidas entre os dois e os 12 anos. No entanto, as crianças mais velhas e os adultos também podem contrair a doença.

Papeira – causas e sintomas

Os sintomas iniciais de caxumba podem demorar entre 14 a 25 dias para surgir, após estar em contato com alguém infectado, e o sinal mais comum é o inchaço que se forma entre a orelha e o queixo devido à inflamação das glândulas parótidas que produzem saliva e que são afetadas pelo vírus.

Inicialmente o indivíduo pode apresentar febre, dor de cabeça, dores musculares, desânimo, cansaço, náuseas e dor abaixo da orelha. Mais ou menos um dia depois começa a aparecer o inchaço característico na região da mandíbula. Os gânglios do pescoço em geral aumentam de tamanho e a pessoa tem muita dor nesta região, principalmente na hora de mastigar.

Isso porque a parótida é uma glândula salivar e está totalmente inflamada. O inchaço da caxumba possui consistência gelatinosa ao ser palpada e atinge seu ponto máximo entre o 3º e 7º dia. A produção de saliva também causa dor e alimentos ácidos que estimulam a salivação são contraindicados enquanto o indivíduo está com a doença. A maioria das pessoas recupera-se perfeitamente ao fim de dez dias.

Embora esta doença seja mais frequente nas crianças e adolescentes, também pode surgir em adultos, mesmo que já tenham sido vacinados. O hospedeiro deste vírus é única e exclusivamente o homem. Este consegue atravessar a placenta no caso da mulher se encontrar grávida.

papeira

Papeira

Mais sobre papeira

Segundo estudos realizados, quando uma mulher gravida é infetada pode ocorrer o aborto principalmente se a infeção acontecer no primeiro trimestre da gravidez. De salientar que não existem dados que comprovem a existência de malformações fetais nestas situações. A prevenção desta doença é feita pela vacinação que é realizada juntamente com a vacina do sarampo.

A papeira é benigna nas crianças, no entanto, principalmente nos adultos, pode deixar sequelas. Existem várias complicações. As mais frequentes não são graves nem deixam sequelas. O vírus pode alojar-se no ovário e causar dor abdominal na mulher. Pode alojar-se também nos testículos e causar uma dor no jovem e no adulto. Está descrita alguma situação de atrofia testicular depois desta inflamação. Pode haver uma hipofertilidade, ou seja, alguma infertilidade, mas infertilidade total pós-papeira é muito rara.

A vacina utilizada contra a papeira, que faz parte do calendário básico de vacinação infantil, confere uma proteção de 96%, o que não garante proteção em todos os casos. Além disso, o efeito da vacina dura cerca de 20 anos, o que pode levar ao surgimento da doença em adultos que estejam em contato direto com crianças infetadas após esse período,