Pediculose púbica – causas e sintomas


A pediculose púbica, conhecida popularmente como chato, é uma doença contagiosa causada pelo inseto parasita Phthirus pubis, chamado também de piolho-do-púbis. A pediculose pubiana é uma infecção semelhante a que ocorre no couro cabeludo quando infestado por piolhos. Apesar de afetar preferencialmente a região púbica, o piolho-do-púbis pode estar presente em outras áreas com pelos no corpo, como axilas, barba, cílios e sobrancelhas, afetando apenas áreas que possuem pelos.

A pediculose púbica é considerada uma doença sexualmente transmissível (DST). Como a sua transmissão é feita através de contato direto entre pelos pubianos durante o ato sexual, o uso de camisinha não impede a transmissão, pois o mesmo só recobre o pênis, deixando toda a região púbica exposta.

Pediculose púbica – causas e sintomas

O chato pode ser transmitido de outras formas que não a via sexual, embora seja menos comum. Casos de transmissão não sexual podem ocorrer entre pessoas que partilham objetos contaminados, como toalhas, roupas e roupa de cama.

O Pthirus pubis não pula e não voa. Para haver transmissão é preciso contato intimo entre as regiões púbicas para que o piolho consiga passar de um pelo para outro. O piolho-do-púbis não infesta cães, gatos ou outros animais peludos, não sendo estes, portanto, focos de transmissão da doença.

Os sintomas do chato costumam surgir uma semana após o contágio. O principal sintoma é uma intensa coceira na região púbica e uma sensação de queimação nesta região também é comum. Se o piolho estiver presente em outras áreas do corpo, elas também vão coçar.

A coceira é mais intensa durante a noite e o ato de coçar freneticamente pode provocar feridas na pele, além  disso, alguns pacientes podem também ter linfonodos aumentados na região das virilhas. Complicações, como reações alérgicas, infecção purulenta da pele, dermatite e impetigo podem ocorrer, mas tais manifestações são raras.

Pequenas manchas escuras de 0,5 a 1 cm podem surgir em pessoas com intensa e prolongada infestação. Elas surgem devido a uma reação da pele do indivíduo portador à saliva do piolho, que contém substâncias anticoagulantes. Alguns pacientes podem também ter linfonodos aumentados na região das virilhas.

Pediculose pubica

Pediculose púbica

Mais sobre a Pediculose púbica

A pediculose púbica pode ser tratada com medicamentos semelhantes aos usados no tratamento do piolho de cabeça. Como o Pthirus pubis é um inseto, o seu tratamento deve ser feito com loções que contenham inseticidas aptos para serem usados na pele humana, eme special na região íntima, como a Permetrina ou a Piretrina.

A pediculose pode acometer qualquer pessoa, independente de idade, sexo ou condição socioeconômica. A descontaminação é fundamental e pode ser feita com medidas simples de higiene. Habitualmente, o creme ou a loção são aplicados em áreas de pelos e enxaguados após 10 minutos. Deve-se evitar contato dos inseticidas com mucosas, como a glande ou vagina.

Assim como nos piolhos da cabeça, o piolho-do-púbis e suas lêndeas podem ser removidos manualmente. Existe também uma forma de tratamento com medicação via oral, sob a forma de comprimidos, que também deve ser repetido após uma semana, e em alguns casos, pode-se associar os tratamentos oral e local.