Óleo de canola faz mal?


O óleo de canola é condenado por muitas pessoas, pois as mesmas acreditam que ele oferece inúmeras desvantagens ao organismo. Pesquisas comprovaram que quando ingerido em excesso e sendo o óleo a única fonte de lipídeos ele aumenta as chances de um acidente vascular cerebral (AVC ou derrame) em quem já tem um índica da pressão do sangue elevada. Saiba mais e descubra se o óleo de canola faz mal aqui:

De acordo com as pesquisas feitas sobre o óleo de canola, ele prejudica a pressão sanguínea devido a um composto esteroide que torna a membrana celular mais rígida contribuindo assim para o encurtamento da vida.

Óleo de canola faz mal?

Mesmo assim, o óleo não é de todo mal, e perceba que a pesquisa foi feita apenas em quem tem o mesmo como a única fonte de lipídios. Esse óleo também é muito utilizado na fabricação de inseticidas, biocombustíveis, tintas, lubrificantes, velas e cosméticos.

O fator problema desse alimento é que ele é produzido como planta transgênica e, embora ele possa ser encontrado de forma orgânica em alguns países, como os Estados Unidos, na maioria dos outros países ele não pode, como é o caso do Brasil, e até mesmo no seu país de origem, o Canadá, ele só existe na forma transgênica.

Quando consumido a longo prazo  oferece prejuízos aos rins, fígados, e até problemas neurológicos, além de contribuir com a redução de vitamina E no organismo.

Em todo caso, o grão não possui apenas malefícios, ele também é rico em ômega 3, ácido graxo essencial ao nosso organismo e que não é produzido em nosso corpo, sendo sua fonte a alimentação. Este ácido graxo, tem poderes de reduzir o mau colesterol e aumentar o bom colesterol.

Um agravante para a relação do óleo com a nossa saúde é que todos os óleos de cozinha, inclusive o de canola (com exceção dos “prensados a frio” ou “extra virgem”), são refinados, ou seja, os óleos, como o de soja e o de canola, passam por um processo em que há branqueamento e desodorização, o que também envolve altas temperaturas e/ou o uso de alguns produtos químicos como solventes.

oleo de canola

Óleo de canola

Mais sobre o óleo de canola

Todo esse processo torna o óleo um produto hidrogenado extremamente prejudicial para a saúde cardiovascular. Como um óleo monoinsaturado, o óleo de canola possui ácido erúcico, que se trata de um óleo gordo, o qual está associado a danos cardíacos, como doença de Heshan, que pode se manifestar com lesões fibróticas no coração.

Outro problema é a tecnologia, mesmo ela tendo realmente conseguido reduzir a toxidade da planta da qual se extrai o óleo de canola, não acabou com o problema, a toxidade ainda está lá, só que em menor proporção. E 2% de toxidade (que é o que ficou de toxidade) ainda é muito para quem busca uma alimentação saudável. E essa toxidade, mesmo pequena, é cumulativa.

Ele pode interferir no comportamento geral do organismo, prejudicando o sistema imunológico, respiratório, nervoso. O excesso de ingestão do óleo provoca tremores, dificuldade com memorização, falta de ar, descontroles emocionais, arritmia cardíaca, baixa aptidão para audição e coordenação motora, câimbras (principalmente nos pés e nas mãos), incontinência urinaria, e muitas outras.