Herpes genital – causas e sintomas


O herpes genital é uma Doença Sexualmente Transmissível, que se transmite através do contato íntimo, ao entrar em contato direto com as bolhas ou úlceras com líquido nos genitais, coxas ou ânus e que causa sintomas como ardência, coceira, dor e desconforto.

O herpes genital é comumente transmitido pelo contato com a pele de uma pessoa infectada que tem lesões visíveis, bolhas ou erupções (uma crise ativa), mas também pode ser contraído a partir do contato com a pele de uma pessoa infectada mesmo quando não há lesões visíveis, e a pessoa pode ainda nem saber que está infectada, ou pelo contato com a saliva ou com fluidos da vagina de uma pessoa infectada. A doença manifesta-se de duas formas:

Herpes genital – causas e sintomas

HSV-1 – este tipo de herpes ocorre apenas na boca, mas também pode ser transmitida para a genitália através de sexo oral. Uma vez contraída, ela pode ser passada adiante pelo contato sexual direto. Porém, seus efeitos são mais brandos e podem ser controlados com mais facilidade.

HSV-2 – recorrente apenas em casos de contato direto das genitálias, este é o que causa mais mortes e casos graves envolvendo outras doenças. Seus efeitos são muito mais intensos, os sintomas evidentes aparecem com maior frequência, e devem ser tratados o quanto antes.

Como o vírus pode ser transmitido mesmo quando não há sintomas ou lesões presentes, um parceiro sexual que tenha sido infectado com herpes no passado, mas que não tem lesões ativas da doença, pode transmitir a infecção a outras pessoas.

Alguns dos sintomas característicos da doença são:

  • Dores e irritação que surgem de dois a dez dias após o contágio.
  • Manchas vermelhas e pequenas bolhas esbranquiçadas que costumam surgir dias após a infecção.
  • Úlceras na região dos genitais, que podem até mesmo sangrar e causar dor ao urinar.
  • Cascas que se formam quando as úlceras cicatrizam.
herpes genital

Herpes genital

Mais sobre a Herpes genital

As feridas características do herpes genital surgem imediatamente quando o vírus entra no organismo. Podendo ser espalhadas quando o indivíduo as toca e depois passa as mãos por outras partes do corpo. A doença ainda pode causar feridas no pênis, saco escrotal, coxas e na uretra, bem como na vagina, vulva e colo do útero. Feridas também podem aparecer nas nádegas, boca e no ânus.

Outros sintomas que podem surgir:

  • Linfonodos aumentados e sensíveis na virilha durante uma crise
  • Dor ao urinar
  • As mulheres podem ter corrimento vaginal ou, ocasionalmente, não podem esvaziar a bexiga e precisam de um cateter urinário.

Uma segunda crise pode aparecer semanas ou meses depois da primeira. Essa crise é quase sempre menos grave e de menor duração que a primeira. Com o tempo, o número de crises pode diminuir. O tratamento é feito basicamente por meio de medicamentos antivirais, que aliviam a dor e o desconforto causados durante uma crise, curando as lesões com maior rapidez.

Mulheres grávidas podem receber tratamento contra herpes durante o último mês de gestação para diminuir as chances de ter uma crise no momento do parto. Se houver uma crise no momento do parto, será recomendada uma cesariana para diminuir a possibilidade de infecção do bebê.