Bula do remédio Pacemol


Pacemol

Bula do remédio Pacemol. Classe terapêutica dos Analgésicos e Antitérmicos. Princípios Ativos Paracetamol.

Indicação

Para que serve?

Analgésico e antitérmico, no alívio da dor leve a moderada e para reduzir a febre.

Alternativa do ácido acetilsalicílico no tratamento da cefaléia, dismenorréia (cólica menstrual), dor muscular leve a moderada, artralgia, febre, dor pós-operatória, dor pós-parto, dor crônica causada pelo câncer, desconforto da febre em resfriados e gripes, no alívio temporário de dores menores em artrites e reumatismos.

Pacemol é particularmente bem indicado como analgésico e antitérmico na presença de alergia à aspirina, podendo ser usado em pacientes com problemas hemostáticos (incluindo terapia anticoagulante), e diáteses hemorrágicas (hemofilia) e nas doenças do trato gastrintestinal superior (úlcera, gastrites e hiato de hérnia).

Via oral – Uso adulto e pediátrico

Contraindicações

Quando não devo usar?

Pacientes com conhecida hipersensibilidade ao paracetamol ou aos outros componentes da fórmula e em portadores de hepatopatias.

Posologia

Como usar?

Adultos e crianças acima de 12 anos:

  • Pacemol 500 mg: 1 a 2 comprimidos, 3 a 4 vezes ao dia.

Não exceder mais do que o total de 8 comprimidos, em doses fracionadas, num intervalo de 24 horas.

  • Pacemol 750 mg: 1 comprimido, 3 a 4 vezes ao dia.

Não exceder mais do que o total de 5 comprimidos, em doses fracionadas, num intervalo de 24 horas.

  • Pacemol gotas: 35 a 55 gotas, 3 a 5 vezes ao dia.

Não exceder mais do que o total de 5 administrações nas 24 horas.

Crianças:

  • Pacemol gotas: a dose usual de paracetamol para crianças abaixo de 12 anos é de 10 a 15 mg/kg, cada 4 horas (no máximo 5 vezes por dia).

Recomenda-se 1 gota por kg de peso, por dose (por exemplo: uma criança com 10 kg deverá tomar 10 gotas, com 15 kg tomará 15 gotas e assim por diante), até o limite de 35 gotas por dose.

Essa administração pode ser repetida 4 a 5 vezes por dia, com intervalos de 4 a 6 horas, não devendo ultrapassar 5 administrações nas 24 horas.

Pacemol gotas pode ser diluído em um pouco de água ou suco de frutas.

Efeitos Colaterais

Quais os males que pode me causar?

Pode ocorrer: dor de garganta e febre inexplicadas, cansaço excessivo não habitual (anemia), embora raramente, pode causar erupções cutâneas do tipo urticária benigna. Hemorragias ou hematomas não habituais (discrasias sangüíneas); aparecimento de cor amarela nos olhos ou pele (hepatite).

Doses elevadas (acima de 10 g em dose única) podem causar lesão hepática em alguns pacientes, podendo levar à necrose completa e irreversível; os sintomas clínicos manifestam-se geralmente em 24 horas.

Influência com exames laboratoriais: o paracemol pode interferir com os sistemas de medida da glicemia em fitas reagentes diminuindo em até 20% os valores médios de glicose.

Os resultados dos testes da função pancreática utilizando a bentiromida ficam invalidados, a menos que o uso do paracetamol seja descontinuado três dias antes da realização do exame.

Na determinação do ácido úrico sérico, o paracetamol pode produzir valores falsamente aumentados, quando for utilizado o método de tungstato.

O paracetamol pode produzir falsos resultados positivos na determinação qualitativa do ácido-5-hidroxi-indolacético, quando for utilizado reagente nitrozonaftol.

Advertências e Precauções

O que devo saber antes de usar?

Ocorrendo reação de hipersensibilidade ao paracetamol, a administração de Pacemol deve ser suspensa.

Fertilidade: os estudos de toxicidade crônica em animais demonstraram que doses elevadas de paracetamol produzem atrofia testicular e inibição da espermatogênese; se desconhece a importância deste efeito para o uso em humanos.

Pacemol na gravidez: o paracetamol atravessa a plaqueta, embora não se tem observado problemas em mulheres gestantes.

Pacemol pode ser usado durante a gravidez, porém o seu uso deve ser feito por período curto.

Lactação: não tem sido descritos problemas em humanos.

Embora se tenha detectado pequenas concentrações de paracetamol no leite humano, não foi detectado paracetamol ou seus metabólitos na urina dos lactentes.

O paracetamol pode causar hepatotoxicidade grave em alcoólatras crônicos.

Mesmo quando usado em doses terapêuticas,esta hepatotoxicidade pode ser causada pela indução do sistema microssomal hepático, resultando em aumento de metabólitos tóxicos ou por quantidades reduzidas de glutationa, responsável pela conjugação dos metabólitos tóxicos.

Interações medicamentosas:

A administração de Pacemol com alimentos retarda a absorção do paracetamol.

Doses elevadas de paracetamol potencializam a ação dos anticoagulantes cumarínicos e indandiônicos.

O uso do paracetamol aumenta a meia-vida do cloranfenicol de 3,25 para 15 horas.

O paracetamol altera os níveis plasmáticos do diflunisal.

Aumenta o risco dos salicilatos (não se recomenda o uso prolongado e simultâneo do paracetamol com salicilatos).

A ingestão crônica e excessiva de álcool bem como altas doses de barbitúricos, anticonvulsivantes (carbamazepina), rifampicina e sulfimpirazona realçam os efeitos hepatotóxicos do paracetamol.

A depuração metabólica do paracetamol é acelerada em mulheres que tomam anticoncepcionais orais.

Composição

Cada comprimido contém, respectivamente, 500 mg e 750 mg paracetamol.

Excipiente: manitol, polivinilpirrolidona, estearato de magnésio, talco, amido.

Gotas: cada 1 ml da solução contém 200 mg de paracetamol.

Veículo: macrogol, ciclamato de sódio, sacarina sódica, benzoato de sódio, metabissulfito de sódio, ácido cítrico, corante vermelho bordeaux, aroma artificial de framboesa e água deionizada.

Apresentação:

  • Caixas com 20 e 100 comprimidos de 500 mg
  • Caixas com 132 e 100 comprimidos de 750 mg
  • Gotas: frasco plástico gotejador com 15 ml

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada?

O paracetamol em doses maciças pode causar hepatotoxicidade.

Em casos de suspeita de ingestão de doses elevadas de Pacemol, deve-se procurar imediatamente um serviço médico de urgência.

A intoxicação por paracetamol em crianças parece ser menos frequente que em adultos, pois há evidências de que as crianças são menos vulneráveis que os adultos em relação à hepatotoxicidade.

Apesar dessas diferenças, devem ser tomadas as medidas necessárias em casos de superdose em crianças, da mesma forma que para adultos.

Laboratório

Labs. Gemballa Ltda.