Blenorragia ou Gonorreia


A blenorragia, também conhecida popularmente como gonorreia, é uma DST (doença sexualmente transmissível) relativamente comum, capaz de afetar tanto o público masculino como o feminino. A blenorragia é causada por meio de uma bactéria, a “neisseria gonorrhoeae”, conhecida no meio médico pelo apelido ‘gonococo’.

Entendendo a Blenorragia

No geral, qualquer indivíduo (homem ou mulher) com vida sexual ativa pode acabar contraindo a bactéria, e consequentemente, a doença. Cabe destacar que a blenorragia pode ser transmitida em qualquer fase do contato sexual, ou seja, tanto de modo oral como vaginal ou anal.

A bactéria que causa a doença se multiplica especialmente nas partes úmidas e mais quentes do corpo, o que também inclui a uretra, canal responsável por levar a urina para fora do organismo.

Além disso, a bactéria também pode marcar presença no sistema reprodutor da mulher: no útero, tubas uterinas ou até mesmo no colo do útero.

A transmissão também ocorrer durante o momento do parto, de mãe para filho(a), caso ela esteja com a doença durante a gestação. Nos bebês a doença se manifesta principalmente nos olhos, como uma conjuntivite grave ou em uma infecção.

Blenorragia

• Fatores de risco

Os fatores de risco, ou seja, fatores que podem tornar a contaminação com a bactéria genococo facilitada são:

– Pessoas de 18 a 25 anos, ou seja, com vida sexual mais ativa;
– Ter parceiros (as) com histórico de DSTs;
– Ter mais do que um parceiro sexual;
– Não utilizar camisinha durante a prática sexual;
– Uso em excesso de substâncias psicoativas, assim como o álcool e drogas ilegais (facilitadores da prática de sexo sem camisinha e pelo compartilhamento de objetos como seringas e agulhas).

• Sintomas de blenorragia

Na grande maioria dos casos a blenorragia acaba passando despercebida. Quando há a existência de sintomas, eles são bem peculiares e podem ser notados especialmente na região genital.

Na genitália feminina, os sintomas são:

– Ardência e dor na hora de urinar;
– Aumento de corrimento vaginal, que pode aparecer com forte e desagradável odor e em tons amarelados;
– Sangramento vaginal – mesmo fora da época da menstruação;
– Dor na região pélvica e abdominal.

Já na genitália masculina os sintomas mais característicos da gonorreia são:

– Secreção de pus pela uretra do pênis;
– Ardência e dor na hora de urinar;
– Inchaço ou dor frequente em apenas um dos testículos.

• Como realizar o tratamento

O tratamento da blenorragia tem como principal objetivo curar a infecção, e em seguida, interromper a continuidade da transmissão da doença.

Cabe destacar a importância de tratar não só o paciente, como também, os parceiros sexuais com quem ele manteve relação nos últimos meses – que possivelmente, também serão diagnosticados com a doença.

Os principais medicamentos utilizados atualmente para o tratamento da gonorreia são: bepeben, amoxilina, amoxicilina + clavulanato de potássio, cefanaxil, azitromicina, amoxil BD, ciprofloxacino, eritromicina, ciprofloxacino, norfloxacino, fectriaxona dissódica (ou fectriaxona sódica) e outros.

Cabe destacar que a automedicação não deve ser realizada, uma vez que a escolha de um destes medicamentos depende do caso (e da intensidade da doença) de cada paciente.